Incrível!Comovente

Publicado 2016-11-01
796 Comentário

Esta bebê não queria que sua mãe adotiva a tocasse. 5 anos depois, descobriu-se a verdade...

Há um grande número de famílias, em todo o mundo, que passam muitos problemas na hora de conceber e isso pode ser devido a uma miríade de razões. Por uma razão ou outra, casais que sonham em ter uma linda família e não conseguem, optam por recorrer a outras vias. Quando vão ao médico e começam fazer os tratamentos de fertilidade, normalmente tudo se resolve, mas quando, por vezes, esse tratamento não funciona, a única opção que lhes resta é a adoção.

Este é o caso dos protagonistas do nosso artigo, Tina e seu marido Harry, que, depois de muitas conversas e cuidadosamente ponderarem a decisão, decidiram adotar e atravessar os vários trâmites que isso implica. Foi um processo que levou um longo tempo e foi difícil, mas em um dia como qualquer outro, receberam a grande notícia da aceitação de sua aplicação. Logo, Tina e Harry seriam pais de uma linda menina. Quer saber o que aconteceu depois? Bem, continue a leitura, porque é algo que acontece no mundo todo!
Clique em “Página seguinte” para ver o resto do conteúdo do post.

A garota que iriam adotar chamava-se Julia e havia chegado recém-nascida em um orfanato, numa uma cidade da parte siberiana da Rússia. Seus - agora novos – pais a acolheram de braços abertos quando ela tinha apenas 8 meses de idade. No início tudo correu bem, tinham realizado seu sonho e estavam muito felizes, porém, com o passar do tempo, as coisas tornaram-se mais complicadas quando Tina percebeu que havia algo errado com Julia.

É que é isso o que, geralmente, se pensa acerca do processo de adoção: uma vez cumprido todo o processo, o resto "vai sozinho". Só que isso não é verdade, é um processo que requer tempo e paciência e é, certamente, complicado. Quando você quer algo que lhe faça feliz, muitas vezes, você tem que passar por verdadeiras provações e as coisas podem ser bastante difíceis. Isto é o que aconteceu com os "jovens pais", ambos com 40 anos no momento da adoção.

Ao adotá-la quando era apenas um bebê de oito meses, eles pensavam que não seria problema nenhum que Julia necessitasse de carinho, que isso seria fácil, mas não foi, para a infelicidade de ambos. Na verdade, Julia não mostrava nenhum sentimento por seus pais. Ela não chegava nem a olhar nos olhos de Tina, nem era capaz de sentir nada quando sua mãe a abraçava. Estava sempre triste, apática e distante e não ligava para o que se passava ao seu redor.

Devido a esse comportamento dela, Tina teve uma grande depressão e continuamente questionava sua atitude materna, sentindo-se muito incapaz. Durante sua estada no berçário, Julia piorou consideravelmente e os professores argumentavam que ela era uma criança-problema. Era muito estranho, porque ela tinha praticamente tudo e amor não lhe faltava. Esta situação agravou muito o estado de Tina, pois sempre que ela ia buscá-la no berçário, Julia estava sozinha, afastada de seus amiguinhos.

Em várias ocasiões, ela mesma ia se esconder no banheiro ou sob uma mesa. Tina, não sabia mais o que fazer e ficava com o coração totalmente partido. Por isso, ela não hesitou em ir a um psicólogo e um pediatra para discutir a questão e o comportamento de sua filha, para mais facilmente tentar compreender o que se passava com ela. Foi nesse momento que Tina ouviu, pela primeira vez, a designação Transtorno Reativo de Vinculação, do qual Julia apresentava quase todos os sintomas.

Geralmente, este tipo de transtorno é sofrido por aquelas crianças que foram abandonadas em idade muito tenra em um orfanato, e Julia era uma delas. A condição que Julia parecia ter era comum, mas muito grave, porque isso impede os pequenos de criarem qualquer tipo de vínculo emocional saudável com seus pais. Julia se encontrava em uma espécie de estado traumático ou de choque, pois a verdade sobre como ela veio para a casa de Tina e Harry nunca lhe havia sido escondida.

No entanto, apesar de toda a dificuldade, os pais nunca desistiram dela e estavam prontos para fazer qualquer coisa para entenderem Julia e irem, pouco a pouco, fazendo nascer seu amor por eles. Trabalharam bastante com ela, dia após dia, para que ela fosse capaz de recuperar suas emoções e conseguir confiar nas pessoas. Ao longo do tempo, aconteceu o desejado, conseguiram, em grande parte, a melhora de sua filha. Tina afirmou em seu blog que não foi nada fácil, mas também não foi impossível. Agora ela tinha a honra de ser amada por sua filha, algo que era tudo para ela.

Atualmente, Julia está crescida e tem muitos hobbies, como cuidar de animais de estimação, tocar o violino e assistir seu filme favorito, Pinóquio. Apesar de todos os altos e baixos, Tina e Harry podem desfrutar a bênção de ter uma grande família, a que sempre quiseram ter. Eles são extremamente orgulhosos de sua filha, de como ela conseguiu deixar para trás todos os seus medos. Agora ela é uma menina confiante, amigável e muito extrovertida. Não há dúvida de que essa grande luta acabou se tornando uma linda inspiração para todos.

Por favor, não hesite em compartilhar este artigo com todos e dar um Like em nossa página no Facebook!


Fonte: www.porquenosemeocurrio.com

6439
Esta fotografia de família abriga algo realmente estranho. Você consegue...
Esta fotografia de família abriga algo realmente estranho. Você consegue perceber?
As fotografias são parte do dia a dia de nossas vidas. Muitas vezes, ao acordar, olhamos com alegria algumas dessas imagens decorando nosso quarto: vemos a nós mesmos, familiares, alguns amigos... É sempre um prazer ver novamente esses...
O que você acha?! Juntar-se à conversa
Emanuele Fiuza
Emanuele Fiuza 06/12/16 09:32
Fernanda de Damião, interessante. Não conhecia esse transtorno reativo de vinculação!
Fernanda de Damião
Fernanda de Damião 06/12/16 09:32
Lilia Bonfim Emanuele Fiuza Neide Santos
Emanuele Fiuza
Emanuele Fiuza 06/12/16 09:32
Fernanda de Damião, interessante. Não conhecia esse transtorno reativo de vinculação!
Rose Dresch
Rose Dresch 06/12/16 09:31
Se quiser mostrar a história mostra de uma vez sem suspense nem frescura.. Não aguento nem filme de suspense
Larissa Brito
Larissa Brito 05/12/16 09:32
Keity Ane Brito, olha que matéria interessante.
Keity Ane Brito
Keity Ane Brito 05/12/16 09:32
Bem interessante, mas com o amor se resolve tudo ❤
Keity Ane Brito
Keity Ane Brito 05/12/16 09:32
Bem interessante, mas com o amor se resolve tudo ❤
Teresinha Bottini Vacaro
Teresinha Bottini Vacaro 05/12/16 09:32
Uma verdadeira babaquice. Vão postar coisas mais interessantes.
Juliana Calazans Spartani
Juliana Calazans Spartani 05/12/16 09:32
Muito bacana! Eles não desistiram dela! História linda! Obrigada por me mostrar!
Rafaella Cruizer
Rafaella Cruizer 05/12/16 09:32
Eu nao consegui adorataria ter lido fiquei curiosa
Silvana Andrade
Silvana Andrade 05/12/16 09:32
Ah vo gastar minha net com coisa do meu interesse
Helena Kimie Shibuya Shibuya
Helena Kimie Shibuya Shibuya 05/12/16 09:32
Sim ficam sinais que o corpo não absorveu de coisas q magoaram
Vanessa Abdon Moreira
Vanessa Abdon Moreira 05/12/16 09:31
Um porre essa matéria, enchendo mta linguiça
Dinorah Vernier Alto Mar
Dinorah Vernier Alto Mar 05/12/16 09:31
Povo coloca isso aí pra ganhar curtidas e visualizações .. Olha o tanto de grana q o dono dessa postagem ja ta ganhando ... Nem perco tempo com isso aff
Alessandra Santiago
Alessandra Santiago 05/12/16 09:31
5 paginas de texto mal elaborado, longo e sensacionalista para revelar que a criança sofria de transtorno reativo de vinculação. Teria sido mais útil se tivesse focado em informações de como identificar e tratar o transtorno.
Neemias Fagundes
Neemias Fagundes 05/12/16 09:31
Lendo assim parece besteira da rede. Mas concordo com Sandra Abraão. Somente quem viveu essa situação, ou vive, foi capaz de perceber as entrelinhas. Seríamos mais sensatos, se, em não conhecendo a causa, nos limitássemos a tentar entender, antes de criticar negativamente. Falo isso como pai adotivo que sou. E por estar cansado de pessoas que desconhecem o assunto, mas não perdem uma oportunidade de emitir suas vazias opiniões.
Marquelene Guimaraes
Marquelene Guimaraes 05/12/16 09:31
Fernanda dias essa foi boa hahahahah
Nay Santos
Nay Santos 05/12/16 09:31
Kkkkkkkk, essa foi boa!
Rita De Cassia Cassia
Rita De Cassia Cassia 04/12/16 09:26
Muito interessante,Ana Carolina
Evellyn Almeida
Evellyn Almeida 04/12/16 09:26
Edmila Aragão Mendonça
Verônica Pinheiro
Verônica Pinheiro 04/12/16 09:26
Show!! Bela história!!
Natali Stefhane
Natali Stefhane 04/12/16 09:26
Roberta Ananias Patricia Pereira Ribeiro a historia que comentei com vcs hoje!